segunda-feira, novembro 27, 2006

A POÉTICA DO GINGADO





Para Bel, o capoeira da minha ficção.

a roda

pernas cortavam a dança alucinada dos capoeiras

tudo era força
agilidade dos olhos que pulavam
braços e cabelos que não respeitavam
a gravidade imposta aos humanos

eram negros fortes negros brancos capoeiras!

os homens

homens de todos os dias

operários trabalhadores construtores
de máquinas, imagens e martelos
com seus punhos unidos
ajoelhados pelo ritual

cruzam olhares vibrando palmas
cores amarradas pela cintura
gestos que desafiam o abismo

e todas as almas sentem o canto de pedra do berimbau

a dança

gingavam de todos os lados
ritmos e cores abraçavam-se no espaço

passos, compassos e um corpo no chão

o capoeira pula sobre todas as cabeças
e recomeça o gingado malandro
de outro canto da capoeira


Cleberton Santos.

ILUSTRAÇÕES DE GABRIEL FERREIRA PARA O LIVRO ESBOÇOS. NANQUIM SOBRE PAPEL CARTÃO. 2006.

1 Comments:

Anonymous Nana said...

Sempre adimiraveis seus desenhos, sua arte, ainda mais destinadas a capoeira, a uma força nestes em especial

besos

sexta-feira, dezembro 08, 2006 10:48:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home